2018 ainda não foi o ano dos liberais, mas avançamos bastante
Liberdade e Estado / 29/10/2018

Estamos vivenciando um momento histórico em relação a nossa situação política. Muito tem se falado que as eleições de 2018 levaram o país a uma guinada conservadora à direita, fruto da descrença da população em relação a velha política e na possibilidade do deputado Jair Bolsonaro ser o pivô da mudança. Está situação tem causado um grande debate entre os liberais pois não existe um candidato realmente dito como liberal com condições de vitória e o Bolsonaro como o principal nome da “direita”. Sendo assim, é possível afirmar que mesmo em declarações recentes, as falas do deputado ainda são opiniões genéricas. E se por um lado o presidente eleito Jair Messias Bolsonaro defende o livre de mercado (com o apoio do futuro ministro Paulo Guedes), o deputado federal agiu diferente. Por exemplo: se absteve de votar no Projeto de Lei da Terceirização (PL 4330/04). Tal postura levou muitos liberais a se posicionarem contra a eleição de Bolsonaro. Ficou claro durante a campanha o confuso posicionamento “nacional desenvolvimentismo liberalista” de Jair Bolsonaro, no qual demonstra alguma simpatia por ideias de mercado enquanto apoia outras restrições, como a reserva de mercado de recursos como Nióbio. Já em relação aos costumes, embora defenda…

Últimas reações frente as eleições presidenciais de 2018
Liberdade e Estado / 29/10/2018

Introdução Estou vendo/ lendo muitos apoiadores do Haddad pedindo o voto em defesa da democracia e das instituições. Por isso vale ressaltar que a maioria dos movimentos autoritários surgiram com o argumento de defender a democracia e as instituições. E com o passar do tempo a democracia e as instituições se tornam mais importantes que os indivíduos. E assim nasce o governo totalitário. Declaração de Voto O dia 28.outubro será um dos dias mais importantes da história da nossa república. A disputa está concentrada em uma única pauta: manter o Brasil na agenda progressista global ou voltar para os valores conservadores judaico-cristão. Os pontos relacionados ao papel do estado, economia, educação, saúde, segurança dentre outros passaram inócuos. Foi a eleição dos anti e da rejeição. A eleição entre o suplente e o capitão. Ambos não demonstraram em momento algum a capacidade para governar o país. Mas como não sou de ficar em cima do muro, vou votar de acordo com a minha fé. Vou votar contra este partido destruidor e perseguidor da família tradicional. Desde partido que nunca buscou unir a nação (o único momento foi na carta aos brasileiros em 2002). O partido que banalizou a corrupção com a…

Carta aos Petistas
Liberdade e Estado / 22/10/2018

Parafraseando o ex-presidente Lula na sua “Carta ao povo brasileiro” de 2002, o Brasil quer mudar. Mudar para crescer, incluir, pacificar. Mudar para transformar a nossa economia estatizante dos últimos 24 anos. O Estado Brasileiro atualmente esta maior que a própria nação e por isso se achar no direito de decidir o que deve ou não ser feito. Isto, é: como devemos educar nossos filhos, quais devem ser as nossa orientações sexuais, o que devemos comer, como devemos pensar. Durante os governos FHC, Lula, Dilma-Temer, o Estado utilizando do discurso da inclusão fez o prior crime contra uma nação: destruir os valores do individuo em favor de uma tal coletividade. Situação na qual vem sendo retirado de cada brasileiro o direto de pensar, agir e ser diferente. A ditadura cultural do politicamente correto quase acabou com uma geração ao tentar retirar a vontade de questionar e de ser disruptivo. No campo econômico, este aumento exagerado, fez com que o custeio da máquina pública sufocasse por meio dos impostos a capacidade de investimento do nosso setor produtivo. Tal situação é conhecida com “Custo Brasil”. E tudo isto tendo como discurso vazio a distribuição de riquezas e o fim da desigualdade social….

O Brasil elegerá novamente um presidente de esquerda, será?
Liberdade e Estado / 03/10/2018

Felizmente as previsões que fiz em abril e em setembro se demonstram incoerente, haja visto o crescimento da rejeição ao candidato Fernando Haddad nas últimas pesquisas. Tal situação pode ser facilmente entendida pela unificação da direita (entre conservadores apoiadores do Bolsonaro e os liberais apoiadores do Amoêdo, no qual me incluo) somado ao movimento de repulsa ao PT (que ficou claro no boicote que os brasileiros fizeram ao movimento #EleNão) estão levando ao país a eleger de forma inédita um presidente com ideologia, aparentemente, voltada para direita conservadora, vale ressaltar que desde da redemocratização estávamos vivendo o aumentando absurdo no tamanho e na intervenção estatal. Para clarificar ainda mais este posicionamento será apresentado a seguir a estratificação da última pesquisa IBOPE para presidente (01.out.2018) feita durante o movimento #EleNão promovido pela esquerda Brasileira. Antes do resultado por segmentos, vamos aos números totais: Jair Bolsonaro (PSL): 32% Fernando Haddad (PT): 21% Ciro Gomes (PDT): 11% Geraldo Alckmin (PSDB): 9% Marina Silva (Rede): 4% João Amoêdo (Novo): 3% Henrique Meirelles (MDB): 2% Alvaro Dias (Podemos): 2% Cabo Daciolo (Patriota): 2% Guilherme Boulos (PSOL): 0% João Goulart Filho (PPL): 0% Eymael (DC): 0% Vera Lúcia (PSTU): 0% Em branco / nulo / nenhum:…

O 13º Salário e a pizza de 13 fatias
Liberdade e Estado / 01/10/2018

O candidato a vice-presidente, o general Hamilton Mourão (PRTB), da chapa de Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições presidenciais, criticou no dia 25.setembro.2018 o 13º salário e o abono salarial de férias em uma palestra para lojistas em Uruguaiana (RS). No evento, promovido pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da cidade, Mourão critica os benefícios trabalhistas quando passa ao tema da reforma trabalhista. “Temos algumas jabuticabas que a gente sabe que é uma mochila nas costas de todo empresário brasileiro. Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Se a gente arrecada doze, como pagamos treze? É complicado.” Disse o general. A opinião do militar logo reverberou por todo país e muitos “iluminados” ficaram ressoando aos quatros cantos que tal visão é a pior agressão ao Direito do Trabalho, pois fere de morte vários direitos conquistados pelos trabalhadores. Mas antes de entrar no cerne da questão gostaria de refletir sobre o que é direito e o que é dever: Podemos definir direito como a faculdade que tem uma pessoa de mover a ordem jurídica segundo seus interesses (direitos subjetivos), por exemplo, “eu tenho o direito ao meu FGTS” ou “ele tinha direito àquelas férias”. Percebemos o estreito relacionamento entre direito e individualidade, neste caso representado…