A miopia em relação a Uber mostra que a União Europeia se tornou um grande estado intervencionista
Liberdade e Transporte / 12/05/2017

Ontem lendo nos principais sites sobre a proposta da União Europeia em regulamentar a Uber como empresa de transporte, na prática, isso deve obrigada a empresa a cumprir com as mesmas obrigações trabalhistas e tributárias que as demais companhias de transporte. Isto nos leva a duas conclusões: A União Europeia realmente está se tornando um Grande Estado intervencionista e centralizador; e O Reino Unido agiu corretamente com BREXIT. Essa decisão pode levar as seguintes reflexões: qual o motivo de regulamentar a Uber?  Não seria mais correto desregulamentar o táxi? E para o Brasil, qual seria o melhor caminho? A Regulamentação do Uber O critério do advogado-geral da União Europeia sobre a Uber e, em geral, sobre as empresas de transporte colaborativo estabelece duas linhas básicas que deveriam ser levadas em conta no futuro. A principal é que a Uber é uma empresa de transportes, que esse é sua principal finalidade operacional e que o serviço de “contato” entre passageiros e motoristas através de aplicativos tecnologicamente avançados é um fator secundário. A segunda, derivada desta e não menos importante, é que os Governos europeus têm o poder para impor as mesmas licenças e autorizações que exigem aos taxistas. Este é um…