Quem são os 13 (Argh!) candidatos ao Planalto
Liberdade / 06/08/2018

A eleição presidencial está marcada para o dia 7 de outubro, e encerrado o período de convenções, 13 nomes estão oficialmente na disputa pelo Palácio do Planalto. Os partidos tinham até o dia 5 de agosto para oficializar seus candidatos. E até o dia 15 de agosto para registrar a chapa. O exercício deste texto é apresentar qual o viés econômico de cada candidato e qual o tamanho de intervenção estatal ele esta disposto a aceitar. 1 – Álvaro Dias – Podemos/PR Viés econômico: Keynesiano Nível de Intervenção Estatal: Moderado (via regulação) Ideologia Política: Centro-Esquerda Início da carreira política: 1968 pelo MDB   2 – Fernando Haddad – PT/SP Viés econômico: Socialista Nível de Intervenção Estatal: Alto Ideologia Política: Esquerda Início da carreira política: 2012 pelo PT   3 – Jair Bolsonaro – PSL/RJ Viés econômico: Liberal (Paulo Guedes) Nível de Intervenção Estatal: Incógnita Ideologia Política: Direita Conservador Nacionalista Início da carreira política: 1989 pelo PDC   4 – Marina Silvia – Rede/AC Viés econômico: Keynesiana Nível de Intervenção Estatal: Alto (via regulação) Ideologia Política: Centro-Esquerda Conservadora Início da carreira política: 1989 pelo PT   5 – Ciro Gomes – PDT/CE Viés econômico: Keynesiano (Impressora de dinheiro) Nível de Intervenção…

Ideologia de Gênero e o gênero da ideologia
Liberdade / 26/10/2017

A “ideologia de gênero” é uma expressão comumente adotada para expressar que os gêneros são construções sociais e não apenas biológica e que por isso pode ser livremente escolhido pelo indivíduo. Em outras palavras, representaria o conceito que sustenta a identidade de gênero. Consiste na ideia de que os seres humanos nascem “iguais”, sendo a definição do “masculino” e do “feminino” um produto histórico-cultural desenvolvido tacitamente pela sociedade. Deste modo, a “ideologia de gênero” identifica gênero como a projeção de tudo aquilo o que a sociedade e a cultura esperam que seja típico do comportamento masculino e feminino, por exemplo. E, neste caso, estes comportamentos não precisam estar obrigatoriamente ligados ao sexo atribuído. Qual a base desta ideologia? A ideologia de gênero pode ter a sua concepção inicial espelhada nos ideais de Karl Marx e Friedrich Engels, isto é, na submissão da mulher ao homem através da família, e na própria instituição familiar, Marx e Engels entenderam esta ser a gêneses de todos os sistemas de opressão que se desenvolveriam em seguida. Se essa submissão fosse consequência da biologia humana, não haveria nada que fosse possível fazer. No livro “A origem da família, da propriedade privada e do Estado”, os…

Ayn Rand: Objetivismo, razão e Fé
Liberdade / 06/10/2017

Este artigo tem como objetivo fazer uma reflexão entre a filosofia Objetivista e o Cristianismo. Mesmo sabendo que a “fundadora” desta filosofia era ateia e acreditava que razão deveria sempre se sobressair em relação a fé religiosa, iremos abortar pontos que podem evidenciar a ignorância e preconceitos de vários “objetivistas” em relação a Bíblia. As três principais divergências da Religião e o Objetivismo, segundo os “objetivistas” a) Objetivismo defende a primazia da Existência e diz que as coisas são o que são e o que desejarem não vai mudar isso. Já a religião significa o primado da consciência e diz que as coisas são o que Deus quer que elas sejam. Aqui é um ponto interessante, pois devemos além de considerar a primazia da existência devemos avaliar o propósito do mesmo ou se tudo existe por um “golpe de sorte”. E se não existe um proposito determinado para as coisas elas podem em algum momento em outro “golpe de sorte” serem totalmente transformadas, ao simples capricho da sorte. b) Objetivismo diz que você só pode conhecer as coisas pela lógica lidando com as evidências de seus sentidos. A religião diz que você só pode saber o que Deus diz a…

A linha tênue entre o boicote e a liberdade
Liberdade / 18/09/2017

A questão envolvendo o boicote liderado pelo MBL (Movimento Brasil Livre) contra a exposição patrocinada pelo Santander Cultural em Porto Alegre, foi uma situação de grande reflexão em relação ao nosso posicionamento como liberais (defensores da liberdade) e como cristãos (discípulos do Nosso Senhor Jesus Cristo). E para muitos, pelo que li em artigos de jornais/revistas ou nas redes sociais, aconteceu uma verdadeira “equação impossível” pois foi avaliado e pesado por muitos, qual era o peso do seu lado liberal versus seu lado cristão. Sem querer ser dono da verdade, o objetivo deste artigo é me posicionar como cristão e liberal em relação ao boicote a exposição Queermuseu. Posição liberal Gostaria de iniciar meu posicionamento liberal defendendo o direito ao boicote. Como já defendido por Rothbard: “Um boicote pode muito bem reduzir os clientes de uma empresa e, portanto, reduzir seus valores da propriedade, mas esse ato ainda é um exercício perfeitamente legítimo de liberdade de expressão e direitos de propriedade. Desejarmos que um boicote específico seja benéfico ou maléfico depende de nossos valores morais e de nossas atitudes em relação ao objetivo ou atividade concreta. Mas um boicote é legítimo por si só. Se um boicote for considerado moralmente…